Autogestão Emocional: As duas Faces da Raiva

Autogestão Emocional As duas Faces da Raiva

As duas Faces da Raiva… Qual queres ver?

As duas Faces da Raiva e a Autogestão Emocional

Raiva, palavra carregada.  Será que as pessoas percebem que a raiva tem duas faces. O Padre Quevedo afirma que a raiva não tem face tem cara. Qual a diferença de face e cara. Muita. Mas, muita mesmo,, afirma ele. E sabe, eu acho que para falar de raiva o ideal é chamarmos de “cara” mesmo. Concordo com ele. Cara é mais rude. Ah! Vamos fazer assim, “cara” vai ser para o lado ruim e face para o lado bom, da raiva, lógico. Será que vai dar confusão… Não. Vamos em frente com o nosso assunto. A Autogestão Emocional é o foco dele…

Raiva não é boa nem ruim…

A raiva é muitas vezes vista de forma negativa, mas realmente não é ela que é ruim, é a maneira como nós interpretamos e lidamos com a raiva, que costuma ser péssima. E normalmente achamos a raiva prejudicial. É mais ou menos como uma febre. Ninguém gosta de febre. Todo mundo só vê a febre como um sinal ruim.

Só que existe uma outra “face” da febre, na verdade ela tem seu lado bom, porque significa que o corpo está lutando contra uma infecção. Os sintomas da febre, contudo, é que têm a “cara” ruim. Calafrios, dores e às vezes até o delírio e convulsões. Isso, claro que  não é bom. Mas o “aviso”da febre, de que algo vai mal, pode ser bom ou satisfatório.

Da mesma forma, ocorre com a raiva. Nas circunstâncias gerais não é de todo ruim termos raiva, mas os sintomas que resultam da raiva é que não são os desejados.

Reações Adversas da Raiva

As ações que refletem a nossa raiva podem variar, mas as mais normais são as ofensas, gritos, palavrões, transgressões, o silêncio, agressões, reações manifestadas na forma destrutiva.

A Raiva e o Autodomínio

E por incrível que pareça ela pode ser usada de forma construtiva, sim... porque existe a raiva justa! e nesse caso ela irá corresponder ao que eu chamo de: A face boa da Raiva. A raiva é necessária, saudável e é parte integrante da existência humana.

Todos nós experimentamos a raiva a partir de um ponto de vista fisiológico. Ou seja. Independente de religião, já que a maioria das crenças explora esta citação: Deus diz “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira” (Efésios 4:26).

Qual o recado? Simples, Ele espera que saibamos lidar com a raiva de forma construtiva e que a dosemos com equilíbrio. E principalmente que usemos construtivamente como uma força propulsora. E que Dominemos ela e não ela a nós. Isso é Inteligência Emocional!

Não há nenhuma recomendação ou sugestão para ignorarmos a raiva que sentimos, mas, também não é nada bom que guardemos em silêncio a raiva.  Afinal a Raiva tem duas faces. Se por um acaso você tentar mascara-la ou esconde-la, será pior. Sabe o que vai acontecer? Ela irá começar a escapar lentamente, como um pequeno pingo vazando de sua torneira. Nas pequenas reações do dia a dia.

Você quer alguns exemplos? Uma resposta irônica para um colega de trabalho. A impaciência com um garçom. Ou pior, a irritação com o seu filho, sem motivo aparente. Se você não souber administrar sua raiva em todas as suas manifestações, ela vai transbordar como uma represa e pode até se romper.

Ou seja, negar e sufocar a raiva fingindo que ela não existe, não é o melhor caminho.

Afinal, como lidar com a Raiva?

A melhor forma de tratar a raiva é com ação através da Autogestão Emocional. Porque não seguimos os conselhos de Deus? Vamos lá, vamos usar a raiva de forma positiva, vamos encarar e incentivar as nossas transformações, vamos buscar nossas mudanças internas. Pense grande, pense de forma ampla, vise sempre buscar o seu melhor, para que você tenha as reações adequadas até para os momentos que a raiva ruim surgir; a raiva em dose excessiva.

Pergunte a si mesmo: Como estou utilizando minha raiva, como motivação para melhorar uma situação ou relacionamento, ou estou permitindo que ela mine por completo os mesmos? Todos nós temos uma escolha do que vamos fazer com a nossa raiva. Basta termos bom senso e desenvolvermos melhor nosso autocontrole para os momentos extremos. Depois de ler este artigo, o que você vai fazer quando a raiva chegar?

Lógico que não vou responder por você, (mas se quiser conversar, pode ser por email ou skype). Não vou falar genericamente, porque as pessoas funcionam de formas diferentes e meu objetivo agora é levar você a pensar, será que a raiva descontrolada não está prejudicando algum setor da sua vida? as vezes já virou um padrão de comportamento tão arraigado que você nem percebe… mas os outros sim.

** Ah, sobre Padre Quevedo que citei, ele é um padre jesuíta espanhol radicado no Brasil desde a década de 1950. Professor universitário de parapsicologia na UNISAL e no Centro Latino-Americano de Parapsicologia (CLAP), é formado na Faculdade de Comillas, na Espanha, doutor em Teologia formado na Faculdade de Nossa Senhora de Assunção, em São Paulo, e autor de diversos livros entre os mais famosos A Face Oculta da Mente, As Forças Físicas da Mente e Antes que os Demônios Voltem.

Recomendo as leituras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *